segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

5 truques sujos para manipular likes e views das redes sociais



SEU AMIGO VIRTUAL É UM ROBÔ

Para que esperar seu total de seguidores crescer naturalmente se você pode contratar um software para criá-los artificialmente? “Esses programas são chamados de bots, e executam tarefas online mais rápido que os humanos”, explica André de Carvalho, do Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação da USP. Basta dar o comando uma vez (como criar contas para te seguir no Twitter) e deixá-lo trabalhando sozinho.

LIKE EM CATIVEIRO

Bots não são novidade – e as principais redes sociais têm sistemas para tentar detectá-los e eliminá-los. Mas os trambiqueiros deram um jeito de criar algo mais “artesanal”. O jornal inglês Daily Mirror localizou, na China, uma “fazenda de cliques” com mais de 10 mil smartphones operados remotamente para curtir páginas e seguir contas de quem pagasse por isso. Em Bangladesh, havia outra ainda mais cruel: pessoas de verdade passavam o dia curtindo posts e seguindo contas por míseros US$ 120 ao ano.

QUER PAGAR QUANTO?

Usando um e-mail falso, a ME conversou com algumas empresas especializadas em vender likes. O preço médio de 500 curtidas no Facebook é de R$ 170. Para YouTube, é mais barato: R$ 3 a cada mil visualizações. Nenhum dos prestadores do serviço admite o uso de bots. Existem pacotes mais baratos, os “internacionais” – com seguidores que não necessariamente falam a sua língua. (Aliás, recentemente, um shopping russo implantou uma máquina de venda de seguidores, aos moldes das máquinas de refrigerantes).

MILITÂNCIA AUTOMATIZADA

Os bots também costumam ser utilizados para tentar vencer, “no grito”, o fla-flu que virou a política brasileira nas redes sociais. Em 2013, VEJA denunciou que figuras como Aécio Neves, Renan Calheiros e Agnelo Queiroz tinham uma rede de fãs que só existiam online. Eram bots que intercalavam posts sobre assuntos variados e mensagens de apoio a eles. Nas eleições presidenciais de 2014, além de Aécio, foi a vez de Dilma Rousseff ser flagrada pela BBC Brasil realizando o mesmo truque.

VIU UM, VIEW OUTRO

Não acredite em tudo que vê – literalmente. O canal do YouTube Café com Cinema colecionava centenas de milhares de views e várias vezes ficava no ranking dos mais assistidos do dia. Mas usuários estranharam que esses vídeos tinham pouquíssimos comentários e compartilhamentos, algo esperado de qualquer hit na internet. A fraude foi descoberta: os vídeos ficavam escondidos em sites de streaming de anime. Toda vez que alguém clicava para assistir a um episódio de Naruto, por exemplo, dava play nos vídeos do Café com Cinema e nem desconfiava.

© Mundo Estranho Redes-Sociais-Apps
A REGRA NÃO É CLARA

Como esperar que usuários se comportem se as próprias redes sociais são ótimas em manipular dados?

A CARTILHA SECRETA DO FACEBOOK

Recentemente, o jornal The Guardian revelou um documento exclusivo para funcionários do Face com diretrizes sobre o que é ou não permitido nas postagens. Muitas das regras (desconhecidas do grande público) causaram polêmicas. Por exemplo: em certos casos, podem até ser permitidas fotos de bullying, de abuso de crianças ou de animais, e vídeos de morte violenta ou mesmo automutilação. Vídeos de aborto são aceitáveis – desde que não haja nudez. Aliás, projetos artísticos de nudez só são aceitos se foram feitos à mão, e não digitais. Em 2016, o Facebook também foi acusado de “inflar” em até 80% suas estatísticas sobre vídeos. A empresa declarou que era um “erro” do sistema, já consertado.

A MAÇONARIA DO TINDER

Na vida real, quem está fora de uma balada milionária não consegue conhecer ou paquerar alguém lá dentro. Uma das promessas do Tinder era nivelar esse jogo – afinal, no app, todo mundo tem acesso a todo mundo, correto? Errado. Uma parcela dos usuários está restrita. Eles foram selecionados pela curadoria do próprio aplicativo para participar do Tinder Select (também conhecido como Tinder Black). Só os mais ricos, famosos ou bonitos recebem o convite.

O ANABOLIZANTE DO SNAP

O Snapchat inflava seu número de usuários artificialmente para impulsionar ainda mais o seu valor de mercado. A acusação foi feita por Anthony Pompliano, ex-funcionário responsável pelo time de crescimento do aplicativo. Ele move um processo judicial contra a empresa, alegando que foi demitido por ter se recusado a dar continuidade ao plano. A Snap emitiu um comunicado dizendo que o conteúdo do processo é apenas obra de um ex-funcionário insatisfeito.

FONTES Sites Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, VEJA, The Guardian, El País, The New York Times, The Daily Mirror, The Telegraph, Track Mavens, O Globo, EXAME, Brainstorm 9, Meio e Mensagem, Olhar Digital, Bloomerang e Buzzfeed News Brasil

CONSULTORIA André Carlos Ponce de Leon Ferreira de Carvalho, professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP


https://www.msn.com/pt-br/noticias/ciencia-e-tecnologia/5-truques-sujos-para-manipular-likes-e-views-das-redes-sociais/ar-BBHV66k?ocid=spartandhp

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

As 5 principais tendências do marketing digital para 2018




5 Tendências de mídia social e marketing digital a serem vistas em 2018

Quais são as tendências que mais importarão para CMOs e outros líderes de marketing E MAIS AINDA PARA A SUA EMPRESA em 2018?

Quais são as tendências que mais importarão para CMOs e outros líderes de marketing E MAIS AINDA PARA A SUA EMPRESA em 2018?

Embora eu não pretendo ter uma bola de cristal ou saiba exatamente o que está acontecendo na sua empresa, posso e gostaria muito de compartilhar aqui com você o que é importante para a sua empresa.

Os 5 temas descritos aqui devem já parecer familiares, pois todos têm algo a ver com a interseção de conteúdo, tecnologia e conexão com os clientes. 

Sim, a inteligência artificial (AI) aparece – em homenagem à aparente exigência de que a AI deve ser mencionada em todos os artigos da tendência de negócios, que avançam – mas vejo a AI como um papel de apoio e não mais protagonista. Isso porque o foco precisa estar no “porquê”, que é ajudar as pessoas numa interação por vez, criar conexões e criar confiança entre marcas e clientes.

O valor do vídeo continua crescendo com as histórias da vida real.

As marcas bem-sucedidas combinam o impacto emocional do vídeo com o alcance e o imediatismo das mídias sociais para construir relacionamentos mais profundos com clientes e prospects. O movimento das imagens e som têm o poder de transmitir sentimento e estimular a memória de uma maneira que as palavras escritas não conseguem alcançar. É o que torna o vídeo “uma excelente plataforma para educar os telespectadores em tópicos e assuntos diretamente relacionados ao seu negócio e posicionando sua marca como uma fonte credível e confiável de informações vitais.

Se estiver entregando uma experiência autônoma nos bastidores em um evento especial ou um tutorial de produtos, os vídeos funcionam bem em todos os dispositivos – uma vantagem que é cada vez mais importante no nosso mundo móvel ter a visão e o foco do multi-dispositivo.

O conteúdo do vídeo também pode ser projetado para atender cada etapa da jornada do comprador, com educação no início, vídeos explicativos no meio e demos e depoimentos no final do processo de vendas.

À medida que as gerações Millennium e Z englobam plataformas de transmissão em tempo real e redes sociais como Instagram e Snapchat, as marcas devem apresentar vídeos rápidos e teaser com menos de 30 segundos que começam a jogar dentro da plataforma automaticamente.

Embora seja claro que as marcas precisam desenvolver mais conhecimentos de vídeo para capturar a atenção, aconselho as empresas a desenvolverem também uma estratégia clara e um chamado para ação para aproveitar ao máximo seu investimento em vídeos.

A mensagem direta de mídia social poderia redefinir a experiência do cliente.

Como o uso de plataformas de mensagens de redes sociais como o Facebook Messenger, o WhatsApp e o WeChat crescem exponencialmente o potencial para melhorar a experiência do cliente, a qual também se expande. Além de permitir que os clientes interajam em um canal onde se sentem mais confortáveis, a mensagem direta permite que as empresas ofereçam uma maior qualidade de atendimento ao cliente e suporte.

Por exemplo, quando um cliente ou uma perspectiva suscita um problema em um canal aberto de redes sociais, a empresa pode levar para uma conversa “offline” através de mensagens diretas para proteger a privacidade e lidar com problemas sensíveis.

Enquanto as mensagens começaram como conversas com amigos e familiares, o número de consumidores que agora utilizam mensagens diretas para se envolver com marcas é surpreendente. De acordo com as estatísticas do Facebook, as empresas agora trocam mais de 2 bilhões de mensagens com consumidores via Messenger todos os meses.

Dito isto, é a combinação de plataformas de mensagens com chatbots alimentados por inteligência artificial (AI) que possibilita que as marcas se envolvam em conversas de clientes mais relevantes, personalizadas e úteis em escala. A importância deste comércio social e conversacional atinge a casa quando você considera que os consumidores digitais agora dizem que passam uma média de 2 horas e 15 minutos por dia em redes sociais e mensagens – até 45 minutos desde 2012 – com base nas últimas pesquisas da GlobalWebIndex.

As marcas precisam ser all-in no celular ou ficam para trás.

O link entre o social e o móvel é claro: 91% dos usuários de redes sociais acessam plataformas sociais via dispositivos móveis, de acordo com o “Relatório de Visão Global Global 2017” da We Are Social e Hootsuite. Os próprios dados do Google mostram que as buscas móveis compõem mais de metade das buscas no seu mecanismo de pesquisa e os sites amigáveis ​​para dispositivos móveis se mostram mais altos nos resultados de pesquisa. Além disso, os visitantes são cinco vezes mais propensos a deixarem um site que não é amigável para dispositivos móveis.

Considerando que essas tendências são susceptíveis de aumentar, as estratégias efetivas de engajamento móvel são críticas não só para o marketing de redes sociais, mas também para a experiência digital global de uma marca; e enquanto a maioria das marcas diz que seus sites são “móveis”.

O Google informa que muitas empresas estão perdendo oportunidades por causa de um desempenho mobile fraco. Mesmo que 53 por cento das visitas ao site móvel sejam abandonadas se as páginas demorarem mais de três segundos para carregar, o tempo médio de carregamento é de 22 segundos, de acordo com Think with Google.

Claramente, há mais para o engajamento móvel do que simplesmente tornar os sites móveis sensíveis. Felizmente, há muitos bons conselhos disponíveis. Para obter dicas técnicas, recomendo Google Optimizar para o seu site para atingir o desejo de quem lhe encontrará pelo celular.

A tecnologia centrada no cliente leva a personalização e ROI.

Hoje, espera-se que as empresas ofereçam conteúdo altamente personalizado e mais e mais personalizado à velocidade da luz. Para conseguir isso, precisamos de uma visão de 360 graus do envolvimento do cliente em toda a jornada. Atuar sobre essa compreensão do cliente é fundamental para uma estratégia de marketing digital bem-sucedida.

Isso requer análises centradas no cliente que revelem informações importantes sobre o comportamento do mesmo.


Às vezes isso significa ouvir mais e vender menos.

As marcas precisam ouvir ativamente o que os compradores e os clientes estão dizendo em todos os canais, desde o serviço ao cliente até às vendas. É, o que é preciso para se empenhar em empatia e autenticidade – qualidades especialmente valorizadas pelas gerações mais novas.

As marcas maduras digitais estão implantando AI e aprendizado de máquina para gerar diferenciação e oportunidade. Ao usar dados do cliente, como comportamento digital e histórico de compras, eles são capazes de fazer recomendações personalizadas.

O LinkedIn reforça sua posição como canal mais valioso para o B2B.


Com o foco do “todo o negócio” do LinkedIn, é o principal canal social para o marketing B2B – 89% de acordo com dados do Demand Wave. Essa preferência está ligada aos resultados, com 62% usando o LinkedIn para geração de leads e 43% atribuindo vendas ao canal.

Desde a compra pela Microsoft do LinkedIn em 2016, os profissionais de marketing estão vendo oportunidades mais fortes para alcançar os 40 milhões de tomadores de decisão e 61 milhões de influenciadores de nível superior que visitam o site regularmente para encontrar conteúdo comercial e liderança de pensamento.

Além de muitas ferramentas gratuitas para aumentar a conscientização da marca e publicar conteúdo, mais profissionais do marketing estão investindo no conteúdo patrocinado pelo LinkedIn e no InMail (caixa direta de mensagens e mensagens digitais do LinkedIn), bem como anúncios de exibição e texto.

Neto Angel RP
https://www.administradores.com.br/artigos/marketing/5-tendencias-de-midia-social-e-marketing-digital-a-serem-vistas-em-2018/108666/

domingo, 7 de janeiro de 2018

Quais são as Mídias Digitais mais poderosas?



Por  
GUILHERME LIPPERT


Por toda internet as pessoas mostram estatísticas e compartilham notícias mostrando a importância e relevância das mídias digitais nos dias de hoje. Porém estamos fartos de ler e ouvir notícias deste tipo, então vamos falar do que realmente importa: Quais são as mídias digitais mais efetivas?

Caso você seja um dos raros casos de pessoas que ainda não ouviram das tais “Mídias Digitais”, vou explicar agora:

Midias digitais são todo e qualquer tipo de divulgação de qualquer tipo de material divulgado pela internet, como os vídeos de anúncio no youtube, os banners de blogs, anúncios no Google e no Facebook. Tudo isso citado são tipos de mídias digitais, alguns são feitos com estratégias mais agressivas, alguns com estratégias que entregam mais do que recebem, neste artigo irei tratar com mais detalhe as mais efetivas e mais imporantes da atualidade.

Agora que você já sabe o que são as mídias digitais, você terá como compreender do que este post se trata!

Usar uma ou várias estratégais?

Se você for pensar em qual de todas mídias você vai usar irá acabar não usando nenhuma, tudo que você faz para divulgar sua marca ou empresa é um tipo de mídia digital, então ao invés de focar em uma, você deverá utilizar as que mais se encaixam com o seu negócio, além de, obviamente, utilizá-las de uma maneira efetiva e correta.


Indiferente de qual tipo de empresa você tenha, a melhor estratégia para se seguir quando se fala de mídia digital é utilizar a vários tipos de mídia em conjunto para ter várias fontes de resultados. Por exemplo, você pode ter um Blog que terá links para seu Facebook, onde você terá postagens que focam no seu produto e podem gerar vendas, ou você tem anúncios no Facebook que levam diretamente para uma landing page onde você poderá estar convencendo sua persona a comprar seu produto ou gerar um lead.

As combinações de estratégias para as mídias digitais são inúmeras, mas o intuito desta postagem é mostrar quais são as mídias digitais mais efetivas?


FACEBOOK


Todos os blogs, portais, empreendedores e qualquer pessoa deste meio sempre diz que uma das melhores mídias é o Facebook, eles estão certos? Sim! Porém você tem que saber o que você está fazendo ou ter alguém que saiba, assim você saberá que seu investimento realmente está valendo a pena.


O Facebook oferece algumas vantagens que quase nenhum outro site do tipo oferece, como a sua grande utilização, onde temos bilhões de pessoas usando o Facebook pelo mundo todo, e dentro dessa quantidade imensa de pessoas o Facebook fez algo que se tornou de grande ajuda para quem quer utilizar a rede social para anúncios: 
A sua Super Segmentação.


A segmentação do Facebook hoje é a mais completa que existe dentro de todos os tipos de segmentação, você pode anunciar para quase qualquer tipo de pessoa, com alguns cliques você monta uma campanha e começa a mostrar anúncios para EXATAMENTE quem é seu potencial cliente, fazendo assim o Facebook ser um dos investimentos mais certeiros quando se trata de anúncios interruptivos.


Outra grande vantagem do Facebook é seu baixo custo, você pode começar a anunciar hoje mesmo no Facebook com 5 reais, claro que seus resultados serão menores, mas com não muito mais do que isso você consegue ter uma grande exposição e, se bem feito, muitas vendas, que é o que realmente importa quando se trata de marketing.


Todas as pessoas que anunciam no Facebook estarão também sendo vistas dentro do Instagram, aplicativo esse que tem crescido cada vez mais, apesar de ter uma pegada totalmente diferente do Facebook, o instagram também pode ser uma grande fonte de faturamento para sua empresa, fazendo com que você possa ter uma base de fãs engajados também nessa plataforma, tendo assim mais uma fonte de tráfego e vendas.


O grande porém desta mídia é que a maioria das ações que você pode fazer são muito pontuias, muitas vezes não deixam nenhum tipo de “legado”, acabam se tornando apenas campanhas diretas de venda, muitas vezes elas vão deixar resultados não muito duradouros, as vendas são pontuais, se você para o investimento sua exposição cai quase que por completo e o crescimento exponencial que o Facebook lhe proporciona fica totalmente parado, tudo tem os pontos bons e ruins, não é mesmo?


Porém já já vamos falar de uma estratégia que pode gerar resultados contínuos com esforço monetário quase zero, fazendo com que em conjunto com esse tipo de anúncio interruptivo, seus investimentos comecem a ser mais certeiros do que nunca.


Cada vez mais vemos empresas, pessoas e produtores de conteúdo citarem o Facebook como uma boa mídia digital




ADWORDS


Muito usado para se posicionar em palavras chaves específicas, o Adwords é uma Mídia Digital muito usada para posicionar bem seu site em todas as palavras das quais você quer estar aparecendo nas buscas do Google.

A utilização do Adwords envolve aqueles anúncios nas buscas do Google que ficam acima de todos os resultados orgânicos, por tal motivo o Adwords pode ser uma ótima ação para conseguir leads quentes, fazendo com que você consiga encontrar pessoas mais propícias a comprar seu produto por conta de eles, provavalmente, já estarem pesquisando sua solução.

Outro tipo de utilização do Adwords são os anúncios em vídeo no Youtube, tratado muitas vezes como chatos, os anúncios de 5 segundos, quando bem segmentados e bem feitos, podem ser um turning point nos anúncios vindos desta ferramenta. Quando bem segmentado o anúncio pode acabar chamando muita atenção nestes curtos 5 segundos, tendo uma grande chance de converter uma boa quantidade de pessoas, considerando também a quantidade de público que o Youtube possui.

O adwords também pode ser muito útil na hora de utilizar banners, antigamente nós entrávamos em contato diretamente com donos de blogs, sites de todos os tipos e conversávamos com essas pessoas a possibilidade de colocar um banner no site deles por um período com x de custo, hoje em dia isso se tornou muito mais simples por conta do Adwords e seus anúncios em Rede de Display, onde você pode segmentar os blogs e sites que você quer que seus banners apareçam, também possuindo uma grande gama de segmentação para você não estar cometendo nenhum erro.

Com a mesma utilização da Rede de Display você pode fazer campanhas de Remarketing, aí que você pode também fazer uma boa utilização dos pixels do facebook para juntar essas duas mídias digitais para fazer uma super campanha, onde, por exemplo, a pessoa cai num anúncio seu do Facebook, ao ver e sair ela começa a ver mais daquela sua mesma ação em outros sites que ela visitar, fazendo assim com que seu potencial cliente não perca nunca de vista seus anúncios.

Considerando sua relativa complexidade, o Adwords deve ser feito com cautela para não ser um investimento em vão, sendo assim importante que um especialista dessa área faça as campanhas.

Os anúncios nos Adwords estão se tornando cada vez mais comum, gerando um hype para o pessoal que costuma falar de marketing digital, essa mídia também já vem há tempos sendo falada, 


INBOUND MARKETING


Para aqueles que não estão muito familiarizados com o Inbound Marketing, essa estratégia envolve a criação de conteúdo relevante para sua persona, sendo o contrário de um marketing direto, no qual você tenta a todo o custo atrair a atenção do seu consumidor, no Inbound Marketing você criará conteúdo relevante e realmente interessante para seu consumidor, gerando assim uma audiência que estará muito mais propícia a comprar de você pela relevância que você vem criando.

A criação de conteúdo no Inbound é a parte mais essencial dessa estratégia, produzir conteúdo realmente relevante para sua audiência muitas vezes pode ser algo um tanto complicado, porém com absoluta certeza vale o esforço.

Existem muitas diretrizes de SEO que podem ser seguidas na hora de escrever seus artigos ou divulgar seus vídeos, essa estratégia pode aumentar significativamente seu Rankeamento no Google, fazendo com que mais pessoas encontrem seu blog ou seu site e consequentemente comprem seus produtos.

Uma grande vantagem de utilizar o Inbound Marketing é a criação de Autoridade que ele traz consigo, quando você começa a produzir conteúdo realmente relevante para sua audiência, essas pessoas começam a acompanhar com mais frequência a sua empresa, fazendo com que eles comecem a ver você como autoridade naquilo que você se posiciona, assim se torna muito mais fácil de vender para essas pessoas.

Criando seus conteúdos e gerando leads você começa a gerar uma audiência mais engajada com a sua marca ou produto, depois você pode criar campanhas no Facebook ou no Adwords para converter essa audiência, como eles já estarão familiarizados com você suas campanhas com certeza irão ter um desempenho muito superior à uma simples campanha de marketing direto com a segmentação do Facebook ou do Adwords. Por que o Inbound Marketing deixa seus clientes mais quentes, essa estratégia vem se tornando cada vez mais usada por todas as empresas pelo Brasil e já há algum tempo no exterior.

Em 2016 o Inbound Marketing se tornou uma das principais estratégias de diversos tipos de empresas, hoje em dia esse tipo de ação é feita por grande parte das empresas existentes, diversas pessoas ensinam.


Essas são as Midias Digitais das quais a gente aqui na V4 Company consideramos as mais importantes e relevantes na atualidade, todas elas podem ser usadas sem nenhum problema por qualquer tipo de empresa, desde varejo até empresas de Software ou academias, por exemplo. Porém deve-se levar em conta que todas essas ações demandam uma estratégia clara e profissionais qualificados para produzir conteúdo, gerenciar redes sociais, produzir anúncios no Facebook e no Adwords.

Se você ainda não utiliza nenhuma dessas mídias digitais você está com certeza perdendo muito dinheiro e exposição. Aqui no nosso blog você encontra diversos posts que mostram os motivos de você TER de investir nessas mídias, mostrando que a interent não é o futuro, mas sim o presente.

Caso você ainda não faz nenhuma dessas ações, nos da V4 Company podemos te ajudar! Aqui na empresa nos fazemos isso há mais de 8 anos e temos conhecimento o suficiente para aplicar estas e outras estratégias para qualquer tipo de empresa. Entre em contato conosco e a gente estará disposto a levar sua empresa a um novo patamar, utilizando essas e outras estratégias de Marketing Digital.

Muitas agências digitais vem utilizando as Mídias Digitais de uma maneira que não gera Resultados, aqui na V4 Company nós acreditamos que Marketing só é Marketing quando vende o seu produto.


E CASO VOCÊ AINDA NÃO SAIBA….

Aqui na V4 Company nós desenvolvemos um processo claro e replicável para qualquer negócio vender mais. O Método V4 para vender coma internet é baseado em quatro pilares fundamentais:

Tráfego – Diz respeito ao volume de visitas que seu negócio tem. Seja um ponto de venda físico ou digital, suas chances de venda são diretamente proporcionais à o volume de tráfego que você tem no seu ambiente. Um site sem tráfego é como uma loja no meio de um deserto.

Engajamento – Como você encanta seus clientes? De que forma você irá conduzir um potencial cliente ao consumo da sua solução? Porquê ele deve escolher por você e não pelo seu concorrente? Essas respostas se traduzirão em sua estratégia de engajamento.

Conversão – Você tem o cliente no seu ambiente, e ele está determinado em comprar seu produto. Qual o melhor meio de pagamento? Quantos acabam desistindo? Porquê? Como fazer diferente? Essas respostas se tornarão suas estratégias de conversão.

Retenção – Você conhece seu cliente? Entende porque comprou de você? Quando poderá comprar novamente? Essas respostas e todo este artigo até que você leu até agora, são os pontos que poderão fazer a lucratividade do seu negócio aumentar exponencialmente. Conquiste novos clientes, mas não os perca. Sua lucratividade está em cima de sua audiência.

Fonte : http://www.v4company.com/midias-digitais/

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

A grande importância do Neuromarketing para as empresas



Por que Neuromarketing é o novo Buzzword para empresas

por Ade Holder / Tradução Google Tradutor

O sorrateiro Kendall Jenner Pepsi, o irreparável anúncio Groupon super bowl de 2011 e a nova embalagem estranha de Dove: os três desses desastres atuam como lembrete de que a pesquisa de marketing nem sempre é correta ...


Como podemos entender o que os consumidores realmente desejam e avaliar suas reais reações sem obstáculos com a convenção social? Pesquisas e grupos de foco só podem ser tão úteis. Entre no Neuromarketing, um conceito que está ganhando popularidade em parte devido à crescente disponibilidade de tecnologia neurocientífica. No entanto, o conceito ainda se encontra com hesitação, tanto dos comerciantes quanto dos neurocientistas.

O que é Neuromarketing e por que é usado?

Neuromarketing é a aplicação de técnicas neuroscientíficas para estudar marketing. Muitas pesquisas de marketing experimentam deficiências durante a coleta de dados, que normalmente consiste em grupos focais e pesquisas. Os consumidores podem superestimar ou subestimar a forma como eles se sentem, ou pegar as pistas subconscientes dos pesquisadores, que os induzem a responder de maneira específica. As técnicas neurocientíficas permitem aos profissionais de marketing visualizar a verdadeira reação do consumidor ao estímulo.

Preocupações éticas

Houve um empurrão significativo no conceito de neuromarketing, com alguns preocupados de que a busca do "botão de compra" do cérebro possa resultar em publicidade que as pessoas não conseguem resistir. As preocupações ligeiramente mais realistas incluem a segmentação de populações vulneráveis.

O conceito de criar publicidade que os consumidores não conseguem resistir mostra um ligeiro mal-entendido sobre o que o marketing engloba. O marketing é sobre reconhecer e atender às necessidades e desejos de um consumidor. A pesquisa que se dedica ao marketing sempre se sobrepôs, pelo menos um pouco, com a ciência. Os comerciantes são obrigados a ter uma compreensão da psicologia, sociologia, negócios e economia, bem como os aspectos técnicos de qualquer produto que eles são obrigados a comercializar.

O estudo do comportamento do consumidor é de interesse específico para os comerciantes, o que se sobrepõe significativamente à psicologia, à fisiologia e à neurociência. A pesquisa de Neuromarketing, portanto, não é necessariamente tão básica como "Como podemos obter mais consumidores para comprar o produto A?". Pode ser tão extenso quanto olhar para os mecanismos de negociação na mente do consumidor, pois eles escolhem entre os itens.


Além disso, a tecnologia de imagem e a compreensão geral do cérebro certamente não estão perto de um ponto em que se pode acessar uma área específica que induzisse o comportamento de compra em um cliente. Mesmo com equipamentos de imagem cerebral mais sofisticados, como o realizado pela MCI Neuroscience e várias outras empresas, seria difícil identificar a região exata responsável pelo comportamento de compra.

Murphy e Al  (2008) fazem um excelente trabalho de resumir eventuais riscos potenciais de forma mais realista. Deve ser adotado um código de ética em que o consentimento informado e o direito ao anonimato sejam dados aos participantes. Outro problema potencial que seria resolvido com legislação adicional e um código de ética é o uso do neuromarketing na exploração de grupos que são mais vulneráveis ​​ao marketing.

Aplicações práticas e tipos de técnicas de Neuromarketing:

IMRI


O IRMF é a técnica mais útil para determinar a atividade cerebral em resposta a estímulos específicos. No entanto, para fins de marketing, isso é incrivelmente caro e, muitas vezes, não é tão útil como alguns pensariam. Por exemplo, se estamos monitorando a atividade cerebral de uma pessoa em resposta a um anúncio, não temos como saber em qual estímulo específico eles estão reagindo. Claro, a solução é combinar este teste com um questionário depois para entender melhor as reações. Isso apenas apresenta as questões padrão que os questionários trazem: respostas imprecisas de sujeitos de teste.

A próxima opção, menos dispendiosa, é EEG. Anteriormente, os EEGs eram uma matriz complicada de eletrodos conectados ao crânio através de um gel pegajoso, preso na outra extremidade a uma máquina de leitura volumosa. Felizmente, o EEG recentemente se tornou significativamente mais eficiente, com versões amigáveis ​​para o consumidor de fones de ouvido EEG disponíveis por apenas US $ 100. Mais modelos  Gtop-end também rastreiam o movimento do músculo facial, de modo que as expressões podem ser correlacionadas aos sinais. Esta técnica resolve muitos dos problemas associados à fMRI: é fácil de transportar e muito menos inconveniente para os participantes.

EEG

EEG certamente tem suas deficiências, no entanto. Para começar, sabemos que as leituras de EEG só podem penetrar até o córtex externo. Isso nos dá menos visibilidade da atividade cerebral do consumidor, mesmo sem considerar que os EEGs do consumidor podem ter apenas um eletrodo; um EEG padrão, de nível científico, possui mais de uma centena de eletrodos. Então, independentemente de que os fones de ouvido do EEG do consumidor ganhem em facilidade de uso, eles perdem a clareza do sinal. A quantidade de ruído presente nas leituras desses fones de ouvido é muito maior que a de uma instalação científica completa de EEG. Isso significa que os dados gerados devem ser tratados e processados com muito cuidado, com controles apropriados. Na falta disso, é necessário um grande tamanho de amostra para garantir que os dados obtidos sejam significativos.


GSR

Outra técnica comum, às vezes usada em conjunto com EEG, é a medição da Resposta Galvânica da Pele (GSR). GSR é uma medida na mudança de condutividade da pele devido à leve atividade da glândula sudorípara. Essencialmente, pode ser uma indicação da excitação ou supressão do sistema nervoso simpático. Quanto mais condutividade existe em toda a pele, mais despertada é o indivíduo. Feito isoladamente, no entanto, as informações obtidas com o GSR não são particularmente úteis, pois é difícil dizer o que o sujeito está sentindo.


Eye-Tracking

O rastreamento de olhos também vale a pena mencionar, pois é anunciado por várias agências de neuromarketing e usado para o grande efeito. O rastreamento de olhos consiste em um fone de ouvido com duas câmeras. Um aponta para o participante e mostra o ponto de vista deles. O segundo enfrenta os olhos do participante, rastreando seus movimentos. Os sinais são alimentados através de um algoritmo que permite ao pesquisador determinar exatamente o que o participante observa quando e quanto tempo. Esta técnica é útil na concepção de páginas web ou layouts de compras


Neuromarketing para voce


O Neuromarketing é útil para quem procura obter informações únicas sobre as impressões que a marca faz nos consumidores. Além disso, à medida que as marcas procuram criar uma conexão mais genuína com os consumidores, as idéias adicionais estão se tornando cada vez mais importantes.

Embora seja sempre tentador como uma empresa a saltar sobre a tecnologia mais recente, é importante considerar verdadeiramente a informação que deseja reunir. Também é importante lembrar que, embora a tecnologia seja certamente impressionante, a informação que ela produz pode nem sempre ser valiosa para suas necessidades.


A despesa também é algo a ter em mente. Embora cresça em popularidade, o neuromarketing ainda é uma forma relativamente nicho de pesquisa e a tecnologia não é barata de usar. É preciso garantir que qualquer investimento em neuromarketing seja retornado em termos das informações obtidas com ele.

Sobretudo, o neuromarketing é uma ferramenta interessante que as empresas podem adicionar ao seu arsenal. No entanto, o campo tem um longo caminho a percorrer em termos de entrega de informações precisas e específicas. Dada a rápida expansão dos desenvolvimentos na neurociência, no entanto, o desenvolvimento do neuromarketing pode não estar muito atrasado. Esta tecnologia é absolutamente algo que as empresas devem manter um olho e considerar usar quando exigem feedback além do que a pesquisa de mercado clássica pode fornecer.


https://www.shoutoutuk.org/2017/11/10/what-is-neuromarketing-and-is-it-good-for-business/

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Cuidado: O seu celular te ouve e te vê e grava para sempre!



Fotos do seu filho na rede movimentam um mercado bilionário; entenda

'Selfie' com o filho pode ser detectado e virar publicidade para você Imagem: Getty

Marcos Candido

Do UOL, em São Paulo


Você publica fotos do filho pequeno nas redes? Se a resposta for sim, você já deve saber que não está só. Uma pesquisa mostra que 66% dos pais brasileiros postam imagens dos filhos nas redes sociais. A cada vez que uma foto deles vai parar na rede, a imagem é identificada por centenas de códigos automáticos (ou robôs) que mapeiam sua vida e vendem seus hábitos a troco de cifras bilionárias.

Seus dados geram publicidade

Funciona assim: cada ação feita nas redes sociais, sites ou aplicativos é lida por códigos que podem mapear quais produtos buscamos em lojas on-line, se estamos atrás de um ‘crush’ e até mesmo nossos ciclos menstruais.

Com essa identificação, as empresas distinguem quem é o usuário conectado e quais objetivos ele mantém na vida real. Os dados ajudam os programadores a melhorar o serviço prestado, mas também fazem dinheiro entrar no caixa: as empresas pagam aos sites para veicular anúncios até você.

“No final das contas, a cada clique, 'curtir' ou 'compartilhar', estamos trabalhando para aprimorar algoritmos dessas grandes empresas, como Google e Facebook. Em troca, 'ganhamos' publicidade adaptada aos nossos hábitos enquanto eles ganham bastante dinheiro”, explica Joana Varon, diretora da Coding Rights. Nos três primeiros meses deste ano, o faturamento do Facebook com propaganda foi de 7,8 bilhões de dólares.

Seu smartphone te ouve e te vê

É bem possível que, por exemplo, com fotos ao lado dos filhos no Instagram, um robô reconheça a feição da criança e apresente anúncios de fraldas, produtos ou programas infantis e mais serviços personalizados para pais. Outro robô pode ler as mensagens por escrito e até mesmo o microfone do smartphone detecta quais assuntos conversados no dia a dia. Às vezes, nem é preciso fazer nada.

No início de outubro, um jornalista de São Paulo publicou no Facebook o relato de um e-mail inesperado: o serviço de armazenamento de fotos on-line, onde mantém o arquivo pessoal da família, havia criado um filme em comemoração aos quatro anos de vida da filha. Os vídeos que ele havia registrado nunca haviam sido publicados nas redes sociais. mas, mesmo sem que ele pedisse, o site detectou os traços da criança e editou o filme de maneira automática. A notícia causou espanto entre seus seguidores.

Tenha em mente que os dados ficam registrados para sempre

Anônimos e famosos ganham milhares de likes e compartilhamentos com fotos dos filhos publicadas nas redes sociais. Enrico Bacchi, filho da atriz Karina Bacchi, com cerca de dois meses de idade já tem 546 mil seguidores no Instagram.

Esse tipo de comportamento gerou até um termo em inglês: o “shareting”, uma mescla das palavras “share” (compartilhar) e “parenting” (que pode ser traduzido como o ato de ser pai ou mãe).

“O ‘shareting’ ajuda a coletar dados e acaba criando uma personalidade do filho pela vida inteira, desde o começo da vida”, explica Pedro Hartung, advogado do Alana, instituto especializado em direitos da criança.

Segundo ele, é importante pensar sobre quais são os níveis de privacidade do filho, ainda criança, na rede. “Publicações geram o que chamamos de rastros digitais”, explica. O advogado diz que é preciso que o pai tenha consciência de como a exposição à publicidade a entrega de dados do filho possa afetá-lo no futuro. “As plataformas, apps e empresas no mundo digital têm a responsabilidade ser respeitar e preservar a criança em seu desenvolvimento", conclui.

O que eles dizem

Em nota, a Google diz que, no caso da publicidade direcionada, "o objetivo é mostrar anúncios que sejam relevantes para os usuários". Para isso, a empresa afirma usar "dados coletados de dispositivos, incluindo buscas e dados sobre localização, bem como websites e aplicativos usados, vídeos e anúncios vistos" e "informações pessoais fornecidas por eles, como faixa etária, gênero e interesses".

A empresa afirma não vender dados de usuários diretamente a terceiros e que também oferece opções de controle de privacidade ao usuário. A reportagem não conseguiu entrar em contato com o Facebook;.


https://estilo.uol.com.br/noticias/redacao/2017/10/12/as-fotos-do-seu-filho-na-rede-geram-um-mercado-de-bilhoes-de-dolares.htm

terça-feira, 10 de outubro de 2017

A importância do "Inbound Marketing" em sua estratégia de mídia digital


Por SambaTech

Para quem deseja atrair mais clientes, reforçar a autoridade da sua marca e consequentemente aumentar suas vendas, o Inbound Marketing tem sido a solução para muitas empresas, de diferentes portes.

Diferente do marketing tradicional, o Inbound Marketing tem como objetivo atrair de maneira voluntária, clientes em potencial para o site da empresa, baseando-se em um relacionamento mais próximo com o consumidor, sem publicidades apelativas e incansáveis. 

Seu processo envolve 4 ações: atrair, converter, fechar e encantar, com estratégias voltadas para as mídias sociais ou técnicas de Search Engine Optimization (SEO), por exemplo.

Além disso, possui uma grande vantagem em relação a outros métodos de divulgação: a facilidade de mensuração de resultados de forma mais assertiva. Isso por que, geralmente, as próprias ferramentas dispõe de dados e informações referentes aos resultados das ações, e assim é possível acompanhar as métricas, e frequentemente alinhar e aprimorar as estratégias que estão dando certo ou alterar o que não está tendo o efeito esperado.

A seguir vamos mostrar 7 das principais métricas de Inbound Marketing que você precisa acompanhar. Confira!

7 métricas de Inbound Marketing para acompanhar

Taxa de conversão


Para quem não sabe, conversão nada mais é do que o principal objetivo em uma campanha de marketing. Por exemplo: uma pessoa entrar em uma página no seu site, preencher um formulário para receber sua newsletter, ou receber um e-mail com um cupom de desconto, e clicar no botão para entrar no site, e realizar uma compra. Ou seja, a taxa de conversão vai indicar o resultado real das estratégias realizadas.

Para medir é bem simples! Basta dividir o número de visitas pelo número de conversões, no caso da mensuração de um e-commerce, por exemplo.

Não dá para saber ao certo qual porcentagem é vista como ideal, pois depende de uma série de fatores. Mas não se assuste quando fizer a mensuração, pois geralmente as taxas de conversão são bem baixas mesmo, e ficam em torno de 0,5% a 4,0%. 

1- Retorno sobre o investimento (ROI)

O retorno sobre o investimento (ROI) é um dos indicadores mais importantes, pois ele mostra o valor que a empresa consegue de volta, sobre determinado investimento feito. Em outras palavras, essa métrica mostrará se o investimento está sendo aplicado de maneira inteligente e se é viável para sua empresa.

Para calcular o ROI, deve-se subtrair da receita gerada durante o período da campanha todos os gastos e, em seguida, dividir esse resultado pelo custo total dos produtos. Esse número pode ser multiplicado por 100 para encontrar o valor em porcentagem.

2-Cálculo: ROI = Receita gerada – (Custo dos produtos vendidos + Investimento na campanha) Custo dos produtos vendidos)

O ROI pode ser mensurado de forma integral, quer dizer, aliando suas estratégias de Inbound de maneira geral, as ações individuais ou apenas de um canal como, e-mail marketing, SEO, redes sociais, etc.


3- Custo de aquisição de clientes (CAC)

O custo de aquisição de clientes (CAC) vai possibilitar que você faça uma análise financeira de qual o seu investimento médio para conquistar um cliente. Dessa forma, você poderá avaliar se os esforços com as ações de Inbound realmente estão valendo a pena.

Essa métrica envolve todo o processo de uma campanha, desde o momento da atração de um cliente, até a finalização da compra.

É importante que você tenha o máximo de informações sobre o seu ciclo de vendas e tudo o que ele envolve, assim o cálculo ficará mais próximo do que realmente se gasta, como os salários da equipe, comissões de venda, treinamento de colaboradores, aquisição de ferramentas, assinatura de softwares, compra de anúncios, contatos telefônicos, enfim, todo o custo envolvendo diretamente a aquisição de clientes. Os gastos com a área administrativa, SAC e desenvolvimento de produto, por exemplo, devem ser desconsiderados.

Vamos ao cálculo: divida a soma do que foi investido para conseguir um cliente, pelo número de clientes conquistados nesse período. 

(CAC = soma dos investimentos / número de clientes adquiridos)

4- Taxa de visitantes

É fundamental que você analise quantas visitas seu site está recebendo. No Google Analytics, por exemplo, essas informações estão como “Número de visitantes” que se refere a quantidade de pessoas que de fato visitaram o seu site, sem levar em consideração a quantidade de vezes que esses usuários entraram na página. E também há o “Número de visitas”, que mostra quantas vezes o site foi acessado, mesmo que um usuário tenha entrado várias vezes no site, cada visita dele é contada.

A verificação desses dados devem ser feitos frequentemente para verificar se suas ações estão dando bons resultados. Caso o número de acessos não seja o esperado, as técnicas de SEO e divulgação de conteúdo nas fan pages podem ser boas aliadas para otimizar suas páginas e conteúdos, facilitando que usuários encontrem seu site.

5-Taxa de rejeição

Quando dispomos de estratégias de Inbound Marketing para atrair clientes para um site, queremos que ele interaja com o conteúdo daquela página que chamou sua atenção, e também que a partir dela, se interesse a navegar por outras seções do site, certo?
Taxa
É exatamente isso que a taxa de rejeição medirá: um usuário que entrou em uma página do seu site, mas que por algum motivo saiu, sem realizar qualquer ação com a página ou seu site.

Muitos confundem taxa de rejeição com taxa de saída, e na verdade há diferença entre essas duas métricas de Inbound Marketing. A taxa de rejeição mede os usuários que entraram e saíram por uma mesma página, sem praticar nenhum tipo de ação com o site, já a taxa de saída representa apenas os usuários que saíram por aquela página, mas não leva em consideração se é, ou não, a primeira página do site visualizada pelo visitante.

Assim como a taxa de conversão, não há um número definido para que uma taxa de rejeição seja aceitável, pois depende de muitos fatores, como o mercado de atuação, objetivo da página e do site, etc. O ideal é que faça esse acompanhamento e disponha sempre de ações que visem diminuí-la cada vez mais, como melhorar o tempo de carregamentos das páginas, o design deve ser atrativo, a navegação simples, entre outros.

6-Visibilidade, engajamento e influência


Uma boa forma de medir se os usuários/seguidores estão gostando de seus conteúdos e publicações, é acompanhando a visibilidade, engajamento e a influência de cada uma delas.

Vejamos cada uma delas:

Visibilidade: quantos usuários em potencial visualizaram suas publicações;
Engajamento: nível de envolvimento dos usuários com suas publicações, que interagiu de alguma maneira, seja curtindo, comentando ou compartilhando o post;
Influência: seu poder de convencimento e propagação com determinado conteúdo publicado.

Portanto, fique atento! Os cliques nas publicações mostram o interesse e relevância do conteúdo. O número de seguidores significa o aumento da popularidade da sua marca, além da propagação de sua mensagem. Compartilhamento também aumenta o engajamento e as chances de conquistar novos clientes que viram a publicação no perfil de um amigo.

Além disso, os números dos comentários também devem ser calculados, pois quer dizer que aquele seguidor dispôs de seu tempo para fazer a leitura do conteúdo, mesmo sendo como forma de críticas, que podem te ajudar a aprimorar os próximos posts.

7- Custo por Lead (CPL)
Para quem não sabe, um lead é uma pessoa que tem interesse nos produtos ou serviços da sua empresa, de alguma forma, ou seja, um cliente em potencial.

Nem todas as pessoas que entram no seu site, blog ou redes sociais se transformam em clientes potenciais. Portanto, é necessário identificar todos os custos que envolve manter uma campanha, pelo total de leads cadastrados, e assim saber o custo por lead convertido. Assim, você consegue verificar o número de leads conquistados, além do controle de custos da estratégia.

O custo por cliente (CPL) é um indicador que nos permite saber o valor de cada lead gerado. É fundamental saber identificar o CPL, pois esse indicador está relacionado diretamente ao seu ROI (já falamos dessa métrica em tópicos acima).

Para fazer essa conta é só dividir a quantidade investida com as ações de Inbound marketing pelo número de leads gerados, derivados das fontes de tráfego, como blog, redes sociais, site, etc.

Para ter resultados ainda melhores, o ideal é que sejam medidos quantos leads são qualificados, dentre todos os leads gerados.

Há outras métricas de Inbound Marketing que também são importantes para as estratégias e, podem te auxiliar a analisar quais os próximos passos para as ações. Não desanime! No início com taxas e números baixos, é natural que isso aconteça. Com o tempo e os resultados das métricas, você ajustará o que for preciso e as respostas tendem a serem mais positivas.

Além disso, é necessário que se experimente diversas maneiras de fazer essa mensuração de resultados, de forma que encontre quais as avaliações são mais apropriadas para suas estratégias, objetivos e para o seu tipo de negócio.

É fundamental ter em mente que o sucesso de uma campanha, depende também da mensuração desses resultados.

fonte: http://sambatech.com/blog/insights/7-metricas-de-inbound-marketing/

domingo, 1 de outubro de 2017

Área de inteligência nas redes é usada por João Dória



Doria usa cinco softwares de 'big data' para aumentar seu alcance nas redes

  Enquanto a disputa interna no PSDB para concorrer à Presidência em 2018 se acirra, o prefeito de São Paulo, João Doria, usa as redes sociais para pavimentar seu caminho.

O crescimento vertiginoso de sua influência digital em menos de um ano de mandato é resultado de uma estratégia que começou a ser testada ainda nas prévias do partido, se profissionalizou e hoje combina cinco softwares de inteligência e uma equipe de análise que monitora de perto o impacto nas redes sociais de tudo o que ele, que nega ser pré-candidato, fala.
"Nossa função é alinhar o discurso do João para ele ser bem entendido. Ele não vai mudar o que pensa, as propostas, mas vai falar da melhor forma", diz Daniel Braga, que acompanha Doria desde agosto de 2017

Em janeiro deste ano, quando o núcleo de redes sociais de sua Promove Comunicação ganhou corpo, Braga criou com outros dois sócios a Social QI, empresa independente que, apesar da pouca idade, já chegou a cuidar do marketing digital do governo Temer - parceria encerrada em julho.
A assessoria de imprensa da Prefeitura de São Paulo confirma que Doria é cliente da empresa, mas esclarece que seu vínculo é como pessoa física, e não como prefeito.

A Social QI trabalha com uma integradora que reúne "entre quatro e cinco" softwares de inteligência artificial, como NetBase e War Room. Este último é um serviço em português, criado pela startup Stilingue, que há quatro anos desenvolve a ferramenta por meio do que a ciência da computação chama de "processamento de linguagem natural".

Varrer as redes

O time de 35 desenvolvedores da Stilingue, baseado em Ouro Preto (MG), alimenta o computador com textos em português para ensiná-lo a entender e interpretar a língua, identificando padrões comuns.
A tecnologia permite o escrutínio das redes sociais - Facebook, Twitter, Instagram -, de influenciadores e de tudo o que é publicado na imprensa. Um volume exponencial de informações que dificilmente seria administrável sem a ajuda dos robôs, conta o presidente da empresa, Rodrigo Helcer.
© Getty Images Softwares de inteligência artificial são cada vez mais usados por políticos e empresas para fazer gestão de imagem
Para a política, as aplicações incluem, por exemplo, a gestão de imagem - além de capturar tudo o que é escrito sobre qualquer assunto, o software também faz reconhecimento facial para identificar memes - e a psicometria

Termo que ficou mais conhecido depois da campanha de Donald Trump à Casa Branca, a piscometria faz uma espécie de análise de personalidade dos eleitores, útil na identificação de perfis que vão muito além de direita e esquerda e, por consequência, na formulação do discurso político.
A estratégia de comunicação do republicano se baseou na chamada "análise de sentimento" das redes sociais, que deu aos marqueteiros informações que até então não haviam sido usadas em disputas eleitorais, como os medos e anseios dos americanos.

De olho

"Tudo o que o João fala é monitorado", diz Braga. A ideia é avaliar como o discurso do prefeito é recebido para "reduzir os impactos negativos e potencializar os positivos".

"Se ele fala sobre desestatização, nós checamos o que as pessoas falam sobre isso para vermos qual a melhor forma de elas absorverem (o discurso no futuro)". Esse é um trabalho que envolve sensibilidade política, capacidade de interpretação e planejamento estratégico, afirma ele, que conversou com a reportagem na noite desta segunda, por volta de 21h, após acompanhar agenda do prefeito paulistano em Belo Horizonte.

© AFP Segundo Braga, 23,5% dos brasileiros que estão no Facebook já interagiram com a página de Doria

Depois de uma temporada em Brasília, Braga voltou a cuidar pessoalmente da conta de Doria recentemente, a pedido dele. O publicitário nega que a mudança tenha relação com a disputa eleitoral de 2018 e com o fato de que o prefeito é cotado como pré-candidato à Presidência.

"Tem a ver com a ferocidade da oposição nas redes sociais", explica. "A gente tem que entregar o 'João Trabalhador' que prometeu", acrescenta, referindo-se ao slogan da campanha de Doria.
Segundo ele, entre os 114 milhões de usuários únicos do Facebook no Brasil, 23,5% já interagiram com a página do prefeito, o maior percentual de uma lista de sete possíveis presidenciáveis. O segundo lugar é de Jair Bolsonaro (PSC-RJ), com 7,1%.

Ainda sobre as eleições do próximo ano, Braga ressalta que não presta serviços exclusivamente para o PSDB - ele já trabalhou para PT e PMDB -, afirma que a empresa tem sido "assediada por muita gente" e que está avaliando o mercado para 2018.

http://www.msn.com/pt-br/noticias/ciencia-e-tecnologia/doria-usa-cinco-softwares-de-big-data-para-aumentar-seu-alcance-nas-redes/ar-AAsv1by?li=AAkXvDK&ocid=spartanntp